04/04/2021

Mistborn 2: Trecho Sensacional em que Elend é Ensinado por Tindwyl a Como se Vestir e se Comportar como um Verdadeiro Rei

Por Categoria: Outros

Final do Capítulo 16.

Ao final desse trecho em português está o trecho em inglês original.

Leio o livro em inglês. Traduzi o trecho abaixo usando o Google translator e não me preocupei em corrigir erros. Esse livro também está disponível em português mas não me dei ao luxo de adquirir um exemplar em pt-br apenas para extração de partes do texto, não achei necessário.

Texto Traduzido pelo Google Translator:

Hoje, faremos algo com suas roupas”, disse Tindwyl, fechando a porta do escritório de Elend. Uma costureira rechonchuda com cabelo branco cortado em forma de tigela esperava do lado de dentro, em pé respeitosamente com um grupo de assistentes juvenis.

Elend olhou para suas roupas. Na verdade, não foi ruim. O paletó e o colete caem muito bem. As calças não eram tão rígidas quanto as preferidas pela nobreza imperial, mas ele era o rei agora; ele não deveria ser capaz de definir as tendências?

“Não vejo o que há de errado nisso”, disse ele. Ele ergueu a mão quando Tindwyl começou a falar. “Eu sei que não é tão formal quanto o que outros homens gostam de vestir, mas fica bem em mim.”

“É uma vergonha”, disse Tindwyl.

“Agora, quase não vejo-“

“Não discuta comigo.”

“Mas, veja, outro dia você disse que-“

“Reis não discutem, Elend Venture”, disse Tindwyl com firmeza. “Eles comandam. E, parte de sua habilidade de comandar vem de sua postura. As roupas desleixadas convidam a outros hábitos descuidados – como sua postura, que já mencionei, acredito. ”

Elend suspirou, revirando os olhos enquanto Tindwyl estalava os dedos. A costureira e suas assistentes começaram a desempacotar um par de baús grandes.

“Isso não é necessário”, disse Elend. “Já tenho alguns ternos que ficam mais justos; Eu os uso em ocasiões formais. ”

“Você não vai mais usar ternos”, disse Tindwyl.

“Com licença?”

Tindwyl olhou para ele com um olhar autoritário e Elend suspirou.

“Explique-se!” disse ele, tentando soar autoritário.

Tindwyl acenou com a cabeça. “Você manteve o código de vestimenta preferido pela nobreza sancionado pelo Imperador Final. Em alguns aspectos, foi uma boa ideia – deu a você uma conexão com o governo anterior e fez com que você parecesse menos desviante. Agora, entretanto, você está em uma posição diferente. Seu povo está em perigo e o tempo da simples diplomacia acabou. Você está em guerra. Seu vestido deve refletir isso. ”

A costureira selecionou um traje específico e o levou para Elend enquanto os assistentes montavam uma tela de troca.

Elend hesitantemente aceitou o traje. Era rígido e branco, e a frente da jaqueta parecia abotoar até a gola rígida. De todo modo, parecia que …

“Um uniforme”, disse ele, franzindo a testa.

“De fato,” disse Tindwyl. “Você quer que seu povo acredite que você pode protegê-los? Bem, um rei não é simplesmente um legislador – ele é um general. É hora de você começar a agir como se merecesse seu título, Elend Venture. ”

“Eu não sou um guerreiro”, disse Elend. “Este uniforme é uma mentira.”

“Em breve mudaremos o primeiro ponto”, disse Tindwyl. “O segundo não é verdade. Você comanda os exércitos do Domínio Central. Isso o torna um militar, independentemente de saber ou não manejar uma espada. Agora, vá se trocar. ”

Elend concordou com um encolher de ombros. Ele caminhou ao redor da cabine de mudança, empurrou para o lado uma pilha de livros para abrir espaço e começou a se trocar. As calças brancas caíam confortavelmente e caíam perfeitamente nas panturrilhas. Embora houvesse uma camisa, ela estava completamente obscurecida pela jaqueta grande e rígida – que tinha encaixes militares nos ombros. Ele tinha uma série de botões – todos, ele notou, eram de madeira em vez de metal – bem como um estranho desenho em forma de escudo sobre o peito direito. Parecia ter algum tipo de flecha, ou talvez uma lança, estampada nela.

Rigidez, corte e design considerados, Elend ficou surpreso com o quão bem o uniforme se ajustava. “Tem um tamanho muito bom”, observou ele, colocando o cinto e puxando para baixo a barra da jaqueta, que ia até os quadris.

“Pegamos suas medidas com seu alfaiate”, disse Tindwyl.

Elend contornou a tela de mudança e vários assistentes se aproximaram. Um educadamente fez sinal para ele calçar um par de botas pretas brilhantes e o outro prendeu uma capa branca nos fechos de seus ombros. O assistente final entregou-lhe uma bengala e uma bainha de duelo de madeira polida. Elend o prendeu no cinto, depois o puxou por uma fenda na jaqueta para que ficasse do lado de fora; isso, pelo menos, ele já tinha feito antes.

“Bom,” Tindwyl disse, olhando para ele de cima a baixo. “Depois que você aprender a ficar em pé, será uma melhoria decente. Agora, sente-se. ”

Elend abriu a boca para protestar, mas pensou melhor. Ele se sentou e um assistente se aproximou para prender um lençol em seus ombros. Ela então puxou uma tesoura.

“Agora, espere”, disse Elend. “Eu vejo onde isso vai dar.”

“Então expresse uma objeção,” disse Tindwyl. “Não seja vago!”

– Tudo bem, então – disse Elend. “Eu gosto do meu cabelo.”

“Cabelo curto é mais fácil de cuidar do que cabelo comprido”, disse Tindwyl. “E você provou que não é confiável na área de higiene pessoal.”

“Você não está cortando meu cabelo”, disse Elend com firmeza.

Tindwyl fez uma pausa e então acenou com a cabeça. O aprendiz recuou e Elend se levantou, puxando o lençol. A costureira mostrou um grande espelho e Elend avançou para se inspecionar.

E congelou.

A diferença foi surpreendente. Durante toda a sua vida, ele se viu como um estudioso e socialite, mas também como um pouco tolo. Ele era Elend – o homem amigável e confortável com ideias engraçadas. Fácil de descartar, talvez, mas difícil de odiar.

O homem que ele viu agora não era nenhum dândi da corte. Ele era um homem sério – um homem formal. Um homem a ser levado a sério. O uniforme deu-lhe vontade de se endireitar, de apoiar uma das mãos na bengala de duelo. Seu cabelo – ligeiramente enrolado, longo na parte superior e nas laterais, e solto pelo vento no topo da muralha da cidade – não cabia.

Elend se virou. “Tudo bem”, disse ele. “Corte Isso.”

Tindwyl sorriu e acenou com a cabeça para que ele se sentasse. Ele o fez, esperando em silêncio enquanto o assistente trabalhava. Quando ele se levantou novamente, sua cabeça combinava com o terno. Não era extremamente curto, não como o cabelo de Ham, mas era limpo e preciso. Um dos assistentes se aproximou e entregou-lhe um laço de madeira pintada de prata. Ele se virou para Tindwyl, franzindo a testa.

“Uma coroa?” ele perguntou.

“Nada de ostentoso”, disse Tindwyl. “Esta é uma era mais sutil do que algumas das anteriores. A coroa não é um símbolo de sua riqueza, mas de sua autoridade. Você vai usá-lo de agora em diante, seja em privado ou em público. ”

“O Senhor Soberano não usava uma coroa.”

“O Senhor Soberano não precisava lembrar às pessoas que ele estava no comando”, disse Tindwyl.

Elend fez uma pausa e então colocou a coroa. Não trazia pedras preciosas ou ornamentação; era apenas uma tiara simples. Como ele esperava, encaixou perfeitamente.

Ele se virou para Tindwyl, que acenou para a costureira fazer as malas e ir embora. “Você tem seis uniformes como este esperando por você em seus quartos”, disse Tindwyl. “Até

este cerco acabou, você não vestirá mais nada. Se você quiser variedade, mude a cor da capa. ”

Elend concordou com a cabeça. Atrás dele, a costureira e suas assistentes saíram pela porta. “Obrigado,” ele disse a Tindwyl. “Eu estava hesitante no começo, mas você está certo. Isso faz a diferença. ”

“O suficiente para enganar as pessoas por enquanto, pelo menos”, disse Tindwyl.

“Enganar as pessoas?”

“É claro. Você não achou que era isso, não é? “

“Nós vamos…”

Tindwyl ergueu uma sobrancelha. “Algumas lições e você acha que acabou? Mal começamos. Você ainda é um tolo, Elend Venture – você simplesmente não se parece mais com um. Esperançosamente, nossa farsa começará a reverter alguns dos danos que você causou à sua reputação. No entanto, vai precisar de muito mais treinamento antes de eu realmente confiar em você para interagir com as pessoas e não se envergonhar. ”

Elend enrubesceu. “O que você—” Ele fez uma pausa. “Diga-me o que você planeja me ensinar, então.”

“Bem, para começar, você precisa aprender a andar.”

“Algo está errado com a maneira como eu ando?”

“Pelos deuses esquecidos, sim!” Tindwyl disse, parecendo divertido, embora nenhum sorriso marcasse seus lábios. “E seus padrões de fala ainda precisam ser trabalhados. Além disso, é claro, há sua incapacidade de manusear armas. ”

“Tive algum treinamento”, disse Elend. “Pergunte a Vin – eu a resgatei do palácio do Senhor Soberano na noite do colapso!”

“Eu sei”, disse Tindwyl. “E, pelo que ouvi, foi um milagre você ter sobrevivido. Felizmente, a menina estava lá para fazer o

luta real. Você aparentemente confia um pouco nela para esse tipo de coisa. “

“Ela é nascida das brumas.”

“Isso não é desculpa para sua desleixada falta de habilidade”, disse Tindwyl. “Você não pode sempre confiar em sua mulher para protegê-lo. Não é apenas constrangedor, mas seu povo – seus soldados – espera que você seja capaz de lutar com eles. Duvido que você seja o tipo de líder que pode liderar um ataque contra o inimigo, mas você deve pelo menos ser capaz de se controlar se sua posição for atacada. ”

“Então, você quer que eu comece a lutar com Vin e Ham durante as sessões de treinamento?”

“Meu Deus, não! Você não pode imaginar como seria terrível para o moral se os homens vissem você sendo espancado em público? ” Tindwyl balançou a cabeça. “Não, vamos treinar você discretamente por um mestre de duelo. Em alguns meses, devemos torná-lo competente com a bengala e a espada. Esperançosamente, este seu pequeno cerco vai durar muito antes de a luta começar. ”

Elend enrubesceu novamente. “Você continua falando baixo comigo. É como se eu não fosse nem mesmo rei aos seus olhos – como se você me visse como uma espécie de substituto. “

Tindwyl não respondeu, mas seus olhos brilharam de satisfação. Você disse isso, não eu, sua expressão parecia dizer.

Elend enrubesceu mais profundamente.

“Você pode, talvez, aprender a ser um rei, Elend Venture,” disse Tindwyl. “Até então, você apenas terá que aprender a fingir.”

A resposta furiosa de Elend foi interrompida por uma batida na porta. Elend cerrou os dentes, virando-se. “Entre.”

A porta se abriu. “Há novidades”, disse o capitão Demoux, seu rosto jovem animado quando ele entrou. “Eu-” Ele congelou.

Elend inclinou a cabeça. “Sim?”

“Eu … uh …” Demoux fez uma pausa, olhou Elend novamente antes de continuar. – Ham me enviou, Majestade. Ele diz que um mensageiro de um dos reis chegou. ”

“Mesmo?” Elend disse. “De Lord Cett?”

“Não, Majestade. O mensageiro é do seu pai. ”

Elend franziu a testa. “Bem, diga a Ham que estarei aí em um momento.”

“Sim, Vossa Majestade”, disse Demoux, recuando. “Uh, eu gosto do novo uniforme, Vossa Majestade.”

“Obrigado, Demoux”, disse Elend. “Você, por acaso, sabe onde Lady Vin está? Eu não a vi o dia todo. “

“Eu acho que ela está em seus aposentos, Sua Majestade.”

Seus aposentos? Ela nunca fica lá. Ela está doente?

“Você quer que eu a chame?” Perguntou Demoux.

“Não, obrigado”, disse Elend. “Eu vou pegá-la. Diga a Ham para deixar o mensageiro confortável. ”

Demoux concordou com a cabeça e se retirou.

Elend se virou para Tindwyl, que estava sorrindo para si mesma com um olhar de satisfação. Elend passou por ela, caminhando para pegar seu caderno. “Vou aprender a fazer mais do que simplesmente ‘fingir’ ser rei, Tindwyl.”

“Veremos.”

Elend lançou um olhar para a terris mulher de meia-idade em suas vestes e joias.

“Pratique expressões como essa”, observou Tindwyl, “e você poderá fazê-lo”.

“Isso é tudo, então?” Elend perguntou. “Expressões e fantasias? É isso que faz um rei? “

“Claro que não.”

Elend parou na porta, se virando. “Então, o que faz? O que você acha que faz de um homem um bom rei, Tindwyl de Terris? “

“Confie,” disse Tindwyl, olhando-o nos olhos. “Um bom rei é aquele em quem seu povo confia – e aquele que merece essa confiança.”

Elend fez uma pausa e assentiu. Boa resposta, ele reconheceu, então abriu a porta e correu para encontrar Vin.

 

 

 

Texto original em Inglês:

“Today, we will do something about your clothing,” Tindwyl said, closing the door to Elend’s study. A plump seamstress with bowl-cut white hair waited inside, standing respectfully with a group of youthful assistants.

Elend glanced down at his clothing. It actually wasn’t bad. The suit coat and vest fit fairly well. The trousers weren’t as stiff as those favored by imperial nobility, but he was the king now; shouldn’t he be able to set the trends?

“I don’t see what’s wrong with it,” he said. He held up a hand as Tindwyl began to speak. “I know it’s not quite as formal as what other men like to wear, but it suits me.”

“But, see, the other day you said that—”

“Kings don’t argue, Elend Venture,” Tindwyl said firmly. “They command. And, part of your ability to command comes from your bearing. Slovenly clothing invites other slovenly habits—such as your posture, which I’ve already mentioned, I believe.”

Elend sighed, rolling his eyes as Tindwyl snapped her fingers. The seamstress and her assistants started unpacking a pair of large trunks.

“This isn’t necessary,” Elend said. “I already have some suits that fit more snugly; I wear them on formal occasions.”

“You’re not going to wear suits anymore,” Tindwyl said.

“Excuse me?”

Tindwyl eyed him with a commanding stare, and Elend sighed.

“Explain yourself!” he said, trying to sound commanding.

Tindwyl nodded. “You have maintained the dress code preferred by the nobility sanctioned by the Final Emperor. In some respects, this was a good idea—it gave you a connection to the former government, and made you seem less of a deviant. Now, however, you are in a different position. Your people are in danger, and the time for simple diplomacy is over. You are at war. Your dress should reflect that.”

The seamstress selected a particular costume, then brought it over to Elend while the assistants set up a changing screen.

Elend hesitantly accepted the costume. It was stiff and white, and the front of the jacket appeared to button all the way up to a rigid collar. All and all, it looked like…

“A uniform,” he said, frowning.

“Indeed,” Tindwyl said. “You want your people to believe that you can protect them? Well, a king isn’t simply a lawmaker—he’s a general. It is time you began to act like you deserve your title, Elend Venture.”

“I’m no warrior,” Elend said. “This uniform is a lie.”

“The first point we will soon change,” Tindwyl said. “The second is not true. You command the armies of the Central Dominance. That makes you a military man whether or not you know how to swing a sword. Now, go change.”

Elend acceded with a shrug. He walked around the changing screen, pushed aside a stack of books to make room, then began to change. The white trousers fit snugly and fell straight around the calves. While there was a shirt, it was completely obscured by the large, stiff jacket—which had military shoulder fittings. It had an array of buttons—all of which, he noticed, were wood instead of metal—as well as a strange shieldlike design over the right breast. It seemed to have some sort of arrow, or perhaps spear, emblazoned in it.

Stiffness, cut, and design considered, Elend was surprised how well the uniform fit. “It’s sized quite well,” he noted, putting on the belt, then pulling down the bottom of the jacket, which came all the way to his hips.

“We got your measurements from your tailor,” Tindwyl said.

Elend stepped around the changing screen, and several assistants approached. One politely motioned for him to step into a pair of shiny black boots, and the other attached a white cape to fastenings at his shoulders. The final assistant handed him a polished hardwood dueling cane and sheath. Elend hooked it onto the belt, then pulled it through a slit in the jacket so it hung outside; that much, at least, he had done before.

“Good,” Tindwyl said, looking him up and down. “Once you learn to stand up straight, that will be a decent improvement. Now, sit.”

Elend opened his mouth to object, but thought better of it. He sat down, and an assistant approached to attach a sheet around his shoulders. She then pulled out a pair of shears.

“Now, wait,” Elend said. “I see where this is going.”

“Then voice an objection,” Tindwyl said. “Don’t be vague!”

“All right, then,” Elend said. “I like my hair.”

“Short hair is easier to care for than long hair,” Tindwyl said. “And you have proven that you cannot be trusted in the area of personal grooming.”

“You aren’t cutting my hair,” Elend said firmly.

Tindwyl paused, then nodded. The apprentice backed away, and Elend stood, pulling off the sheet. The seamstress produced a large mirror, and Elend walked forward to inspect himself.

And froze.

The difference was surprising. All his life, he’d seen himself as a scholar and socialite, but also as just a bit of a fool. He was Elend—the friendly, comfortable man with the funny ideas. Easy to dismiss, perhaps, but difficult to hate.

The man he saw now was no dandy of the court. He was a serious man—a formal man. A man to be taken seriously. The uniform made him want to stand up straighter, to rest one hand on the dueling cane. His hair—slightly curled, long on the top and sides, and blown loose by the wind atop the city wall—didn’t fit.

Elend turned. “All right,” he said. “Cut it.”

Tindwyl smiled, then nodded for him to sit. He did so, waiting quietly while the assistant worked. When he stood again, his head matched the suit. It wasn’t extremely short, not like Ham’s hair, but it was neat and precise. One of the assistants approached and handed him a loop of silver-painted wood. He turned to Tindwyl, frowning.

“A crown?” he asked.

“Nothing ostentatious,” Tindwyl said. “This is a more subtle era than some of those gone by. The crown isn’t a symbol of your wealth, but of your authority. You will wear it from now on, whether you are in private or in public.”

“The Lord Ruler didn’t wear a crown.”

“The Lord Ruler didn’t need to remind people that he was in charge,” Tindwyl said.

Elend paused, then slipped on the crown. It bore no gemstones or ornamentation; it was just a simple coronet. As he might have expected, it fit perfectly.

He turned back toward Tindwyl, who waved for the seamstress to pack up and leave. “You have six uniforms like this one waiting for you in your rooms,” Tindwyl said. “Until

this siege is over, you will wear nothing else. If you want variety, change the color of the cape.”

Elend nodded. Behind him, the seamstress and her assistants slipped out the door. “Thank you,” he told Tindwyl. “I was hesitant at first, but you are right. This makes a difference.”

“Enough of one to deceive people for now, at least,” Tindwyl said.

“Deceive people?”

“Of course. You didn’t think that this was it, did you?”

“Well…”

Tindwyl raised an eyebrow. “A few lessons, and you think you’re through? We’ve barely begun. You are still a fool, Elend Venture—you just don’t look like one anymore. Hopefully, our charade will begin reversing some of the damage you’ve done to your reputation. However, it is going to take a lot more training before I’ll actually trust you to interact with people and not embarrass yourself.”

Elend flushed. “What do you—” He paused. “Tell me what you plan to teach me, then.”

“Well, you need to learn how to walk, for one thing.”

“Something’s wrong with the way I walk?”

“By the forgotten gods, yes!” Tindwyl said, sounding amused, though no smile marred her lips. “And your speech patterns still need work. Beyond that, of course, there is your inability to handle weapons.”

“I’ve had some training,” Elend said. “Ask Vin—I rescued her from the Lord Ruler’s palace the night of the Collapse!”

>

“I know,” Tindwyl said. “And, from what I’ve heard, it was a miracle you survived. Fortunately, the girl was there to do the

actual fighting. You apparently rely on her quite a bit for that sort of thing.”

“She’s Mistborn.”

“That is no excuse for your slovenly lack of skill,” Tindwyl said. “You cannot always rely on your woman to protect you. Not only is it embarrassing, but your people—your soldiers—will expect you to be able to fight with them. I doubt you will ever be the type of leader who can lead a charge against the enemy, but you should at least be able to handle yourself if your position gets attacked.”

“So, you want me to begin sparring with Vin and Ham during their training sessions?”

“Goodness, no! Can’t you imagine how terrible it would be for morale if the men saw you being beaten up in public?” Tindwyl shook her head. “No, we’ll have you trained discreetly by a dueling master. Given a few months, we should have you competent with the cane and the sword. Hopefully, this little siege of yours will last that long before the fighting starts.”

Elend flushed again. “You keep talking down to me. It’s like I’m not even king in your eyes—like you see me as some kind of placeholder.”

Tindwyl didn’t answer, but her eyes glinted with satisfaction. You said it, not I, her expression seemed to say.

Elend flushed more deeply.

“You can, perhaps, learn to be a king, Elend Venture,” Tindwyl said. “Until then, you’ll just have to learn to fake it.”

Elend’s angry response was cut off by a knock at the door. Elend gritted his teeth, turning. “Come in.”

The door swung open. “There’s news,” Captain Demoux said, his youthful face excited as he entered. “I—” He froze.

Elend cocked his head. “Yes?”

“I…uh…” Demoux paused, looked Elend over again before continuing. “Ham sent me, Your Majesty. He says that a messenger from one of the kings has arrived.”

“Really?” Elend said. “From Lord Cett?”

“No, Your Majesty. The messenger is from your father.”

Elend frowned. “Well, tell Ham I’ll be there in a moment.”

“Yes, Your Majesty,” Demoux said, retreating. “Uh, I like the new uniform, Your Majesty.”

“Thank you, Demoux,” Elend said. “Do you, by chance, know where Lady Vin is? I haven’t seen her all day.”

“I think she’s in her quarters, Your Majesty.”

Her quarters? She never stays there. Is she sick?

“Do you want me to summon her?” Demoux asked.

“No, thank you,” Elend said. “I’ll get her. Tell Ham to make the messenger comfortable.”

Demoux nodded, then withdrew.

Elend turned to Tindwyl, who was smiling to herself with a look of satisfaction. Elend brushed by her, walking over to grab his notebook. “I’m going to learn to do more than just ‘fake’ being king, Tindwyl.”

“We’ll see.”

Elend shot a glance at the middle-aged Terriswoman in her robes and jewelry.

“Practice expressions like that one,” Tindwyl noted, “and you just might do it.”

“Is that all it is, then?” Elend asked. “Expressions and costumes? Is that what makes a king?”

“Of course not.”

Elend stopped by the door, turning back. “Then, what does? What do you think makes a man a good king, Tindwyl of Terris?”

“Trust,” Tindwyl said, looking him in the eyes. “A good king is one who is trusted by his people—and one who deserves that trust.”

Elend paused, then nodded. Good answer, he acknowledged, then pulled open the door and rushed out to find Vin.